Encontre neste blog:

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

A viagem dos sonhos de um colecionador apaixonado.

O que realmente seria colecionar e não conhecer o local de origem do seu hobby, onde são fabricados os itens da sua coleção?

Creio que para qualquer colecionador o item de maior importância para a sua coleção deva ser justamente conhecer algo, alguém ou algum lugar que seja diretamente relacionado com sua coleção. Para muitos talvez este seja um objetivo simples de ser realizado, mas para outros tantos outros isso já é algo mais difícil quando o seu hobby não é de origem nacional.

Desde que iniciei minha coleção oficialmente, e descobri que o produto era alemão, que ainda haviam fábricas, parques temáticos, lojas temáticas um desejo sempre esteve presente, conhecer pessoalmente algum destes lugares. Mas como nem tudo que desejamos seja possível de ser feito, a ideia sempre foi ficando para terceiros e quartos planos nem sequer planejados, afinal, como iria para outro País sem ao menos conhecer alguém ou muito menos sem saber falar inglês? Deixei de lado.

Mas desde que o PCC (Playmobil Collectors Club) foi criado em 2012, passei a ter contato direto com outros colecionadores da Alemanha e de outros países, até que um dia tudo mudou, quando conheci um colecionador muito especial da Alemanha, que tinha como segunda paixão o Brasil, a ponto de falar o nosso português.

Diversos foram seus convites, mas como dito, as condições não me permitiam. Vieram as promoções do PCC, com visitas as fábricas, mas as condições não permitiam, com dólar disparando, com tudo subindo de preço. Mas em 2015 estava decidido, Eu iria para Alemanha...., pois é, iria, graças a crise política que se instaurou no Brasil, o dólar decolou para estratosfera, e os planos foram adiados para fevereiro de 2016. Empolgado, tratei de providenciar os passaportes, fazer os planos mas..., fevereiro não seria o melhor mês para ir para lá, devido a estação de frio, e os custos ficariam altos.

Puxa, como eu realmente queria ir, pois isso já me fazia sentir como se fosse obrigatório ter que ir, eu precisava ir, eu tinha que conhecer a Playmobil pessoalmente. Eu precisava ver com meus olhos tudo o que até então só via em fotos e vídeos. Em dezembro, ultimo momento de decisão para compra das passagens, decidi que ainda não seria o momento, e o sonho foi mais uma vez adiado,

Mas em fevereiro de 2016, como em um passe de mágica, tudo mudou e os ventos passaram a soprar a favor. Veio o convite de transferência para a matriz da Empresa em que trabalho, e com o convite, a oportunidade de tirar 10 dias de férias em Maio. Financeiramente, o dólar parou de subir, e o euro ficou estável nos R$ 4,20.

Em 14 de março, dia do meu aniversário, comprei as passagens para essa viagem. E tudo foi dando certo, o euro começara a baixar lentamente, o que me rendeu alguns euros a mais na compra. Meu amigo alemão conseguiu tirar a semana de férias para que pudesse me receber e me apresentar a Alemanha, a Playmobil e mais um monte de locais e eventos.

As vésperas da viagem, la estava eu com tudo pronto, malas, passagens, passaporte, euros, coragem, incertezas, medos, ansiedade e felicidade.

Chega o dia da viagem, e la vamos nós, 12 horas de voo, e la estavam dois amigos especiais me aguardando, o Vane, meu amigo alemão, e a Keziah, minha amiga de São Paulo que mora na Alemanha por conta do seu trabalho.

Foi a melhor semana que passei em toda minha vida até hoje, a mais feliz de todas, a mais realizadora, a mais encantada, e para sempre a mais lembrada.

O que eu posso dizer é que realizei um sonho que jamais imaginei que realizaria. Passei uma semana em que meus olhos viram muito mais do que podiam ver. Conheci muitas pessoas que nem sequer imaginaria que teria a oportunidade de conhecê-las, em especial alguns dos ídolos de tantas fotos , vídeos e postagens que até então se resumiam a internet. E claro, vivi momentos em que nunca imaginei vivê-los, senti emoções fortes a cada novo dia, de forma intensa e feliz.

Ter estado na sede da Playmobil, em seu FunPark, em sua loja, na fábrica e no hotel foi como se eu estivesse sonhando acordado e de olhos abertos, alias, bem abertos.

O momento mais complicado de conter a emoção foi estar lá, diante da sede, não teve como conter as lágrimas de realização naquele momento, em que você está no lugar mais desejado, e que até então era apenas um sonho e que passara a ser realidade.

Conhecer todo o complexo de Zindorf foi demais para mim, não imaginei que seria tanto..,

Outro momento de forte alegria e emoção foi conhecer pessoalmente a Kerstin Lang, da Playmobil, minha alegria era tanta que era difícil até de falar o pouco inglês que eu sabia..., pra mim foi muito emocionante..., e mais lágrimas...

Estar no hotel Playmobil, de vista para o Fun Park e a sede era como realmente estar em um sonho, o melhor de todos que sequer podemos imaginar.

Ao londo dos demais 6 dias da viagem, meu amigo Vane, me levou para outras cidades onde haveria alguns eventos, ou melhor, o que eu imaginava que seriam alguns eventos, de repente, eu estava lá, na maior exposição de todos os tempos, e que eu apenas conhecia por fotos. Era a exposição de 40 anos, e pra completar, em um dia em que haveria um encontro dos colecionadores do fórum alemão. simplesmente pirei.,

Depois ainda teve feira na Holanda, e ai, só posso dizer que a insanidade tomou conta de mim completamente. Eram tantos artigos para se ver, tantos itens, peças, sets, caixas, raridades, exclusividades, e ainda você poderia comprar tudo o que quisesse. E foram tantas e pessoas que conheci, tanto carinho, tantas alegrias e tantas compras, que meu cérebro já não memorizava mais nada..., a mensagem era de Full Card.

Ao passar dos dias fomos em lojas, casa de colecionadores, cidades, e tantos outros locais que vivi em oito dias o equivalente aos 8 anos de coleção.

Voltei desta viagem com o sentimento de realização plena e absoluta, e hoje me sinto completo, feliz, agradecido e muito honrado com todo carinho e atenção que recebi de todos, sem nenhuma exceção. Foram oito dias apenas, mas que de tão intensos, me lembro de cada segundo, cada local, cada sabor, cada frescor, cada sensação como se ainda estivesse lá.

Concluo dizendo que realmente é preciso que cada colecionador que realmente é apaixonado pelo seu hobby, tem sim que fazer o esforço que for preciso, e fazer sua viagem aos locais de origem das suas coleções, pois assim como aconteceu comigo, tenho a certeza de que com vocês, o sentimento de realização plena completará a satisfação pela coleção que você faz e lhe concederá a "colação de grau" que lhe confere o título de Colecionador. Pode até parecer exagero da minha parte, e talvez seja mesmo, mas estar pessoalmente diante das origens, e viver estes momentos, lhe agregam tantos aprendizados que quando você retorna, é como se de fato você estivesse se formando. Arrisco ainda em dizer que fazer uma viagem dessas é como se você fizesse o MBA, seguido do doutorado e magistrado. Repito, a realização é Plena e a especialização é única.

Finalizo aqui dizendo que se você realmente tem esse sonho, se ele é verdadeiro e se você tem amigos de verdade, acredite, ele se tornará realidade.

Fica aqui o meu agradecimento mais que especial, ao amigo Vane e sua linda família, que tornaram possível a realização do meu sonho mais desejado, por me acolherem e me receberem com tanto carinho, com tanta atenção e hospitalidade, fazendo com que esta viagem fosse muito mais além do que eu pudesse imaginar. Obrigado por cada momento, cada local, cada novo amigo que conheci. Sou eternamente agradecido por tudo.

Vane Xanapes e TannerBil, em 18 de maio de 2016 no FunPark Playmobil em Zindorf na Alemanha.


quinta-feira, 16 de julho de 2015

Quando paramos e olhamos para o que somos...

Não faço a mínima ideia de como explicar, mas desde 03/06/2015 com o falecimento do Sr. Horst Brandstätter, proprietário da empresa Geobra Brandstätter, fabricante dos brinquedos Playmobil, tenho me emocionado muito quando vejo suas fotos.

Como explicar este sentimento pela partida de alguém que não conhecemos?

Será que são nestes momentos em que nos damos conta do quanto de nada nós somos? Do nada que representamos?

Não sei!

Contudo o que não me faltam são agradecimentos, admiração e respeito pelas pessoas do Sr. Horst e também do Sr. Hans Beck, o projetista do Playmobil.

Dois grandes exemplos de que não há crise que possa fechar uma empresa se o objetivo for superá-la, conseguindo com a criação de apenas um simples sorriso, conquistar o mundo a ponto de vencer e se permanecer no mercado por agora, mais de 4 décadas, se inventado e reinventado sem se perder no tempo. Poucos são os empresários que conquistam esta proeza.

E com toda a minha emoção e carinho que tenho por estes dois senhores, presto a homenagem abaixo, com um grande voto de agradecimento, por tudo que representam.


Obrigado pelo que vocês fizeram.




segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

"O Progresso pede passagem!!!"

Lembro dos desenhos e filmes no final do século passado em que viadutos, tuneis e estradas avançavam e de baixo de uma arvore dois veteranos da cidade diziam, "É o progresso pedindo passagem!!!"

E o mesmo vejo no cotidiano da coleção, que item a item, transforma tudo a sua volta.

Os móveis já não servem mais para o que antes eram apenas alguns e hoje se tornaram milhares, e assim, aos poucos vamos nos modernizando, nos projetando para os que vieram e os que ainda estão por vir.

A questão toda é que esse progresso além de pedir passagem, nos exigem muito esforço e concentração, e como em toda obra, seu planejamento prévio é o mais importante para a execução seja realizada corretamente com resultado final satisfatório e o mais importante, funcional.

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Colecionar pode prevenir Alzheimer

Você certamente conhece o Mal de Alzheimer, mas sabia que um colecionador pode prevenir este mal com muito mais facilidade?

Esta é uma verdade que descobri na prática.

Ao longo do tempo colecionando e aumentando o acervo, você começa a esquecer de alguns detalhes, de alguns itens, de alguns conjuntos. Você sabe tudo o que tem, mas ao mesmo tempo é como se em um breve momento você não se lembra mais o que tem.

Descobri isso quando terminei de organizar e ajeitar todo o acervo conforme eu queria, eis que, por um golpe de destino, me vi precisando reorganizar tudo novamente.

Por que?

Simples, por que enquanto estamos apenas arrumando e colocando em prática o "Plano A", vamos percebendo aos poucos outras melhorias que poderiam ter sido implementadas mas que não haviam sido planejadas no início.

A tarefa agora tem sido substituir embalagens por uma embalagem padrão, com codificação de identificação e conteúdo, e mais uma nova catalogação dos itens com utilização das imagens do conteúdo de cada embalagem.

Um trabalho que ao primeiro momento aparentou ser muito simples, mas na prática, está se mostrando um tanto mais demorado do que o previsto.

E ai eis que vem a pergunta: "Vale a pena?"

Mas é claro que SIM.

Remexer na coleção toda, item a item, é um momento em que você se aproxima ainda mais de tudo aquilo que você mesmo investiu para conquistar, e não digo isso somente pelo fator financeiro, mas de tempo, dedicação, pesquisa, procura, disputa, compra, espera, e etcs....

É relembrar a cada item a ocasião em que a mesma foi adquirida, sua chegada, sua espectativa.

Os itens  são como um amigo, é rever, reencontrar aqueles que a muito tempo você não via, e mesmo que muitos deles estejam em lindos expositores de vidro, a vista, percebemos que na verdade criamos uma barreira de vidro entre nós e os itens. Uma barreira natural, criada para proteger, mas que ao mesmo tempo nos distancia do que temos.

Mesmo que com luvas de algodão, temos que estar sempre em contato com o que temos, para que sempre nos lembremos de tudo aquilo que construímos.

Apesar do trabalho que dá mexer e remexer em tudo, este exercício se mostrou muito prazeroso, pois  permite curtir tudo o que temos e principalmente fazendo com que nossa mente se exercite.

Eis uma boa maneira de prevenirmos o Alzheimer, afinal, uma coleção nós fazemos para nós mesmos.
 

sexta-feira, 29 de março de 2013

Reconhecimento é Consequencia.

Todo o reconhecimento e elogio é consequencia de quando fazemos algo bem feito.

Minha inspiração para este texto vem do excelente mês de março de 2013, onde muitos reconhecimentos aconteceram.

Durante o ano de 2012 tracei como meta organizar toda minha coleção, com a dedidação e investimento de muito tempo e energia para que tudo ficasse como sempre desejei.

Em 01/03/2013, recebi inesperadamente através de um e-mail vindo da Alemanha a notica de que havia sido escolhido como o Colecionador do Mês de Fevereiro de 2013 no site mundial de colecionadores de Playmobil, o Playmobil Collectors Club.

Esta "escolha" ocorre todo mês, onde um colecionador é escolhido e homenagiado pelo site publicando em sua pagina inicial fotos e uma sintese da sua história com o Playmobil.

Apesar de ser uma escolha mensal, onde todo mês algum colecionador de qualquer parte do mundo é escolhido, pra mim este foi um momento muito especial, devido o mês de fevereiro ter sido ainda o 4º mês em que ocorreu esta atividade, e ter sido o 4º colecionador homenagiado em todo mundo, pela empresa que fabrica o Playmobil me deixou muito feliz, pois tive o sentimento de satisfação muito grande, por ver que a minha coleção e minhas ações com playmobil tambem agradam as pessoas fora do Brasil.

Ainda no mesmo mês de Março, por conta desta homenagem mundial tive o prazer de receber duas equipes de reportagem dos programas Amaury Jr. e Claquete com Otávio Mesquita, e que ambos considero respeitaveis tanto pelo nível cultural quanto pelo perfil do seu público.

Também tive a satisfação de receber o Julio Vinhal do portal Filmes e Games para uma matéria web da minha coleção que renderam mais de 40 minutos de um vídeo muito gostoso de ser visto.

Tenho que confessar que toda esta exposição na mídia é muito gratificante, pois me afirmou que sim, estou no caminho certo por fazer as coisas da minha maneira, sempre com qualidade, simplicidade e um pouco de bom gosto, mas o mais gratificante é sentir a aprovação e satisfação dos amigos.

Por isso, sempre que você fizer algo e fotografar, pense que muitas pessoas estarão vendo suas postagens, e você será visto pelo que publicou, pois se uma foto bem feita abre muitas portas, uma foto feita de qualquer maneira pode também fechar suas portas.

Tudo o que aconteceu também me fez ver um outro ponto muito importante, de que quando postamos uma foto, escrevemos um texto ou aparecemos em uma entrevista, não estamos falando apenas de nós mesmos, mas que automaticamente aos olhos de quem nos vê, acabamos de certa forma representando os demais colecionadores, e por isso é sempre muito importante também tomarmos um cuidado no que expomos, para o que nós fazemos para nós mesmos não seja visto erradamente como sendo a forma que os demais fazem, por isso, temos sempre que manter o bom senso ao falar das coisas simplesmente da forma como aconteceram, com realismo e conhecimento. Afinal, queremos sempre que as pessoas aprovem e gostem do que fazemos.

Por fim, digo que devemos sempre fazer bem feito para que sempre possamos receber elogios verdadeiros.


 

Sempre fazer bem feito.

Na vida sempre ouvi que devemos sempre fazer as coisas bem feitas, na escola, no trabalho, em casa.

Fazer as coisas bem feitas resultam em qualidade e satisfação, tanto de quem faz quanto de quem as vê.

Com uma coleção não podia ser diferente, que quando tem as coisas bem feitas, agradam a todos, pois o resultado final tem qualidade.

O mais importante de tudo é fazer bem feito para primeiro satisfazer você mesmo, sem se preocupar com a opinião de ninguem.

Ao longo das publicações anteriores, acompanhamos várias dicas de tudo o que foi feito em Collecto Tanner Playmobil, que garantiram ao acervo muita qualidade, resultado das necessidades que a própria coleção demonstrou precisar ao longo de cada etapa concluida.

O "se fazer bem feito" não é nada complexo, mas sim algo muito simples, conhecido como organização.

Esta organização consiste em apenas arrumar as coisas do seu jeito, a sua maneira, do jeito que você realmente mentalizou, sem se deixar influenciar por nada, nem ninguem.

Claro que vale você usar bons resultados de outros amigos como inspiração e solução para algumas das questões que você mesmo ainda não conseguiu resolver em seu acervo.

O importante de tudo que no final, você goste do que você mesmo criou.
Faça primeiro sempre para você mesmo, bem feito e com qualidade, e certamente todos também irão gostar.

sábado, 26 de janeiro de 2013

O que fazer com os agregados da Coleção?

Chamo de Agregados tudo o que existem em paralelo e que acabamos juntando com as coleções como embalagens, livretos, catalogos, fichas técnicas, manuais de montagem, posters, adereços, e afins que vem junto com os ítens da Coleção.

Além de todos os impressos, a coleção em si possui outros produtos remetidos ao tema, como canecas, pratos, livros, adesivos, pins, bottons, balões, talheres, toalha, bandeiras, banners, faixas, camisas, bones, cds, dvds, chaveiros, jogos, games, e tudo mais que se possa imaginar, e que aos poucos vamos adquirindo por impulso.

E quando vemos, temos uma coleção paralela de artigos com o tema da coleção, e em sua maioria artigos que jamais serão usados, justamente para preserva-los como novos.

Mas do que adiante ter toda esta "memorabilia" se ela estiver toda encaixotada, dobrada, empilhada e muquifada num canto?

A resposta é organizar estes itens, e a melhor forma é começar separando estes artigos por tipo de item.

Separe todos os catalogos, e os organize por ordem de edição e publicação.

Junte todos os manuais de montagem, separando por tamanho e formato.

Junte todos os impressos, separando por adesivos, fichas, livretos, e afins.

Feito isso compre pastas catalogo do tipo fichario, e monte cada item em um plástico.

em separado monte outra pasta somente para artigos como os bottons, adesivos, e todos os artigos decorativos.

Ao termino, voce terá um arquivo, organizado para guardar todos estes impressos e artigos, e o principal, tudo estará de forma apresentavel para ser visto a qualquer momento, e com muita facilidade.

Quanto aos posters, sabemos que é inviavel enquadrar todos, uma pelo valor dos enquadramentos, e outra, que não teremos parede para pendurar todos eles.

De inicio, procure guardalos, todos abertos, ou enrolados dentro de ujm tubo de papelão com tampa. Pode-se tambem fazer o tudo com cano de PVC, e duas tampas. Desta forma voce preservará a integridade dos impressos. Infelismente as marcas de dobras ou vincos não saem mais, mas ao menos não criará novas marcas. O ideal mesmo se voce encontrar será aquelas pastas tipo catalogo muito usados por profissionais de marketing, para transporte de artes impressas, com tamanho A2 ou A1. Guarde cada poster em um plastico individual. Assim alem de acondicioná-los de forma adequada, tambem estarão de forma apresentavel para serem vistos a qualquer momento sem danifica-los.

Desta forma, toda sua coleção e seus agregados estarão bem organizados, e visiveis para que voce possa mostrar aos seus amigos a qualquer tempo, pois são itens e curiosidades que agregam valor e história a sua coleção.

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Catalogar, Arrumar e Organizar a Coleção...

Já vimos a importancia de se catalogar a coleção..., mas pergunto, sua coleção está arrumada ou organizada?

Eu nem fazia ideia do que era ter a coleção organizada.., eu mesmo considerava que tinha que arrumar a coleção, e assim o fiz, comprei caixas organizadoras todas da mesma cor, tamanho e comecei a guardar a coleção nestas caixas, tudo separado por tema. Pois bem, depois que fiz isso vualá.., consegui arrumar a coleção, ficou linda, mas ai veio a sabedoria que somente a vida nos dá nos momentos certos. A coleção ficou arrumadinha, tudo igual, e muito bonita de se ver, porém, percebi que ainda havia mais uma etapa a ser feita, organizar a coleção.

Mas o que é este "organizar a coleção?"

Simplesmente de se criar uma numeração sequancial para codificação de cada uma das caixas, e de se catalogar o conteúdo de cada caixa, bem como o seu posicionamento de onde está guardada.

Não parece, mas organizar a coleção tornou-se extremamente necessária e de grande importância. Percebi também que começar a organizar no inicio da coleção é muito mais fácil. Depois de grande, qualquer processo de organização é uma verdadeira maratona de muda tudo de lugar...

Depois de numerar cada caixa, e de se anotar tudo o que tem dentro, é preciso planilhar, e usar a filtragem de dados para facilitar a localização do item desejado.

Mesmo que sua coleção esteja somente em um armário, vale a pena arrumar e organizar. Você saberá quantas caixas possui para cada tema, onde estão e o que tem dentro de cada uma, de uma forma muito mais fácil e organizada.

Se você ja tem uma coleção antiga, com muitos itens no acervo o trabalho será maior, mas não é impossível, e acredite, você descobre que tem itens que nem se recordava mais.., e que não serão mais esquecidos, pois estarão organizados, catalogados, organizados e também mapeados.

sábado, 14 de julho de 2012

É importante catalogar a coleção?


É previsível que a resposta será SIM, e por diversos motivos.
 
 
O principal é para que você construa o histórico da existência sua coleção, para que você saiba qual foi o primeiro item que deu inicio a tudo, quando foi, quanto custou, de quem foi adquirido e sob quais circunstâncias.
 
 
Temos que ter ciência que nossa memória é falha, e com o tempo esqueceremos de muitas informações importantes.


Catalogar a coleção é quase tão importante quanto a própria coleção em si, pois você mantém "vivo" o significado de cada item do seu acervo.

Para se catalogar uma coleção não é preciso nenhum sistema super ultra mega complexo não, com a modernidade, facilidade, e acesso digital dos dias de hoje posso dizer que quase todos colecionadores já utilizaram da internet em algum momento para pesquisar e comprar seus itens. Basta uma simples planilha onde sejam cadastradas cada aquisição realizada.

As informações principais que devem conter na planilha são:
  • DESCRIÇÃO DO ITÉM
  • CÓDIGO DE REFERÊNCIA DO ÍTEM (quando houver)
  • LINHA OU TEMA DO ÍTEM
  • ANO DE FABRICAÇÃO / TEMPORADA
  • FABRICANTE
  • ORIGEM DO ÍTEM (como surgiu o ítem)
  • DATA DE AQUISIÇÃO
  • VALOR PAGO
  • VALOR DE FRETE
  • VALOR DE OUTROS ACRÉSCIMOS
  • VALOR TOTAL DO ÍTEM (somatória dos 3 valores acima)
  • DATA DE PAGAMENTO
  • FORMA DE PAGAMENTO
  • VENCIMENTOS
  • DATA DE CHEGADA DO ÍTEM
  • OBSERVAÇÕES GERAIS
  • NOME DO VENDEDOR
  • NICK OU EMPRESA DO VENDEDOR
  • FONE DO VENDEDOR
  • E-MAIL DO VENDEDOR
  • SITE DO VENDEDOR
  • BANCO, AGENCIA, CONTA E CPF DO VENDEDOR (para os pagamentos em DOC)

Para quem inicia uma coleção com os registros das aquisições desde o inicio fica muito mais fácil de se catalogar e aprimorar a ferramenta de registro com mais informações "a gosto do colecionador",
mas se catalogar uma coleção já existente será muito mais trabalhoso e difícil de se levantar todas as informações.

Mesmo sendo uma coleção ja existente ainda é muito importante criar-se um registro do acervo existente. Paciência para os ítens que faltarão informações como data de compra, valor, quem foi o vendedor, etc, mas o importante será cadastrar cada item com as suas informações que cada colecionador conhece como ninguem, como linha, tema, temporada, ano de fabricação, historia do item e etc...

É completamente ERRADO disponibilizar o acesso a terceiros dos registros, pois neles temos informações importantes que somente o "dono" da coleção deve saber, como valores pagos, dados bancarios e contatos dos vendedores, problemas com os vendedores, etc. Catalogar a coleção é para uso único e exclusivo do colecionador curador do acervo. Logicamente havera alguns totalizadores de valores na sua planilha onde serão exibidos os totais de valores pagos até hoje, e acredite, estes valores assustam, logo, não queremos ver casamentos em crises caso os conjuges inconformados acessem estes registros.

Quando concluido o processo de cadastro, guarde para si proprio estas informações, pois elas não são para serem comentadas em rodas de amigos ou com outros colecionadores, para evitar rótulos como exibido, chato, superior, soberbo, e principalmente para evitar que estas informações se espalhem de forma inconcequente podendo até colocar em risco a sua própria segurança, pois não sabemos até onde e de que forma chegará a informação vai lá se saber pra quem, e bem sabemos que no mundo em que vivemos, a inveja, ganancia e interesse levam as pessoas a cometerem certos crimes.

Estes registros você só mostra as pessoas em que realmente confia caso elas pessam para ver sob juramento de segredo absoluto, pois o valor da sua coleção é como um extrato da sua conta bancária contendo o seu saldo existente.

Para todos os demais amigos, conhecidos, parentes e colecionadores voce apenas divulga as informações básicas, de quanto tempo coleciona, como começou, quanto pagou em um ou outro item, mas ao perguntarem quanto voce já gastou, responda que não sabe, ou então alguns bons mil reais mas nem faz idéia de quanto, ou ainda que deve ter sido em torno de uns cinco mil, dez mil, ou vinte mil no máximo. Apenas releve o valor aproximado a outros colecionadores que voce confia e que conhecem bem a sua coleção e que tenham ciencia do valor de um acervo como o seu.



O mais importante de tudo é saber que colecionar não é competir, é pra se fazer amigos e não inimigos.

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Onde e como guardar a Coleção, e por que?

Colecionar qualquer coisa que seja é uma delicia, é diferente, faz bem. Porém uma boa coleção, seja ela qual for merece ser guardada com o mesmo carinho e dedicação que temos ao fazê-la.
Do que adianta ter uma linda coleção se ela não está organizada, bem acomodada e tambem por que não dizer exposta?

Ter uma coleção e deixa-la encaixotada, de qualquer forma, sem um contexto é o mesmo que dizer que estamos juntando coisas. Mas como organizar uma coleção para que fique bonita primeiramente ao nossos olhos, e que agrade todos a minha volta? Bom se existe uma regra eu não sei, e tambem não me ensinaram na escola, mas o melhor a se fazer é descobrir o que você mesmo espera da sua coleção. Certamente em você a sua coleção possui uma lógica, uma coerencia, um sentido, então comece a rascunhar as respostas para:

O QUE EU COLECIONO?

QUAL A ORIGEM DA MINHA COLEÇÃO?

COMO É A HISTÓRIA DO SURGIMENTO DOS ITENS DA MINHA COLEÇÃO?

POR QUE ELES EXISTEM?

QUAL FOI O PRIMEIRO ITEM DA MINHA COLEÇÃO?

COMO FOI A SUA AQUISIÇÃO?

Se você soube responder estas perguntas de primeira, meus parabens, voce conhece o porque da existência da sua coleção e como ela começou. Se não soube, então pesquise e descubra se você realmente é um colecionador.

Passada esta etapa, a próxima é voce começar a tirar os seus itens das caixas, descobrir e redescobrir o que voce possui, pois com o tempo nos esquecemos que temos alguns itens.

Comece a separar eles por ordem cronológica de fabricação, ou por tema, formato, cor, história, enfim, de um sentido lógico para os itens da sua coleção, e se possivel, catalogar estes itens. Nessas horas uma simples planilha é de grande ajuda.

Feito isso, comece a visualizar como você gostaria de mostrar sua coleção aos seus amigos, de uma forma que eles gostem e que venham a te apoiar. É neste momento que começamos a pensar em estantes, pratileiras, móveis, imoveis, e afins. Mas antes de sair reformando, construindo ou comprando moveis, pare e pergunte-se:

MINHA COLEÇÃO AINDA IRA CRESCER MAIS?

Se a resposta for sim, então pense em adquir um mobiliario que também acompanhe este crescimento, e que voce o encontre com facilidade em qualquer lugar, em qualquer tempo.

Monte a sua primeira estante, ou pratileira, mas pense no fechamento hermetico com vidro para que seus itens não se empoerem, evitando que danifiquem ao serem limpos pela dedicada diarista. Instale uma fitinha de led para a iluminação e pronto, não importa o que quer que voce colecione, mas tenha a certeza de que voce ficará muito satisfeito e realizado com a coleção que possui e também que todos irão gostar e recomendar aos amigos para conhecê-la.

O importante acima de tudo é que você tenha orgulho de ser um COLECIONADOR.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Por que ser parte de um Evento?

É interessante notarmos o quanto é rica a versatilidade de pessoas envolvidas em torno de um mesmo proprósito. Coleções existem por que há quem colecione, e a partir daí encontramos diversos acontecimentos em torno disso, como por exemplo, se há quem coleciona, em algum lugar existe uma ferinha dos produtos para estes colecionadores, e mais a frente encontramos os que promovem estes eventos, e que fazem a magia de tudo acontecer.

Colecionar por si só já é uma dádiva, porém ir aos eventos de colecionadores é muito bacana, mas descobri que não há nada mais gratificante do que estar envolvido na organização destes eventos.

No inicio, voce visita o evento, gosta e quer voltar. Tem o seu ego inflado por estar diante de um evento voltado para o seu hobby. Mas participar do evento, fazer parte do acontecimento em sí é inesplicável.

Ver como tudo se cria do dia pra noite, cada dificuldade, cada solução, cada idéia, e no final receber os amigos e os que se tornarão novos amigos não tem preço que pague.

E indo não muito distante chegamos as grandes exposições, que exigem de nós muito mais que dedicação, empenho, determinação e noites sem dormir levadas a exaustão. Ver tudo pronto, acontecendo faz com que tudo se renove.

Eu adoro participar das organizações destes eventos e exposições, pois é nesse momento que eu conheço realmente a dedicação de cada um pelo seu hobby. É nesse momento que vejo em cada um o seu real valor como pessoa. E é nesse momento também que tantos "por ques" se respondem.

Eu tenho o prazer de colecionar Playmobil, a satisfação de participar de eventos, e o orgulho de fazer parte do grupo de organizadores.

Ver o sorriso no rosto de uma criança é fabuloso, mas ver o olhar saudosista de um adulto e a sua alegria é que fazem realmente tudo valer a pena, pois pra uma criança ela está em um mundo de fantasia que ela imagina, ou talves apenas em um local cheio de brinquedos, mas para um adulto, ao parar diante de uma vitrine ele faz uma viagem de volta para um passado distante, e com muitas histórias reais pra nos contar.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Colecionar não é competir

Muitos colecionam o que eu chamo de quantidade, sempre contando quantos itens possui para declara-los a todos como forma de status ou troféu.

Pra mim colecionar não é ficar contabilizando quanto se tem deste ou daquele item, mas sim, tê-los.

A partir do momento em que começamos a contar quanto se tem para os demais amigos, cria-se uma competição completamente desnecessária para saber quem tem mais, redirecionando o foco e o objetivo da coleção.

Em minha coleção sei que não tenho poucos itens, mas sei também que meu acervo é muito pequeno quando comparado com outros grandes amigos e colecionadores de todo o mundo.

Ter um certo volume de itens é fundamental para quem gosta de criar dioramas, onde o objetivo é montar cenários bem elaborados, e não dizer que no diorama se tem tantos desses ou daqueles itens.

Colecionar é agrupar itens para o nosso deleite visual e satisfação do ego, e também para que seja compartilhado com os amigos a satisfação que nos é proporcionado, e não competir com eles.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Por que colecionar?

Colecionar algo que gostamos, ou que redescobrimos é simplesmente fascinante e puramente lúdico.

Descobri no Playmobil a possibilidade de me desligar literalmente da realidade e ter momentos em que os pensamentos vão muito além daquilo que vivemos em nosso cotidiano.

Colecionar nos força voluntariamente a pesquisar, aprender, e principalmente a nos relacionar mais com outras pessoas.

A sensação de buscar e encontrar um item raro é inesplicável, onde a motivação e objetivo de se completar um tema são cativantes.

Outro sentimento delicioso é o de se completar um ítem, adquirindo separadamente peça por peça, garimpando seus itens para restaurar sua composição original.

Colecionar é simplesmente o meio pela qual nos ocupamos de forma agradável quando não teríamos nada para se fazer.

Como tudo aconteceu.

Desde criança sempre gostei de juntar coisas, e muitas foram as minhas "pequenas grandes coleções", selos, cédulas, moedas, copos, figurinhas, gibis.

Apesar de gostar de colecionar nunca finalizava ou dava continuidade, e sempre me atraiu as reportagens e matérias dos eventos de encontros de colecionadores como Star Wars, Hot Wills, Miniaturas, Militares e etc.

Mas foi em 2008 que definitivamente embarquei em uma coleção que se tornou meu maior hoby. Eu morava em um Flat e assistindo TV deitado em minha cama vi o comercial da linha Romana do Playmobil, pela Sunny Brinquedos.

De imediato me recordei deste brinquedo de infância que muito me divertia nas historias e aventuras que criava. Fiquei supreso em ver que o Playmobil ainda existia, pois em minha infancia eu morava no interior de São Paulo dificultando o acesso as grande lojas e tambem não existia o computador pessoal e muito menos internet.

Na adolescencia perdi completamente o contato com este mundo lúdico, e como todos nesta fase, os interesses mudaram.

E foi no dia seguinte que convesando com uma amiga, fui incentivado a colecionar. Entramos então no site do playmobil e descobri ali um universo que jamis conheci. eu nem sabia que o brinquedo era da Alemanhã, e que la o Playmobil era um universo de possibildiades. Ao ver as linhas atuais então fiquei muito admirado pela empresa ter acompanhado e inserido a tecnologia nos produtos e em como ele estava inserido no cotidiano local.

Foi então que comecei a pesquisar tudo sobre o produto, e comprei meu primeiro item, iniciando minha coleção.

Em 2009 eu já tinha um acervo considerável e comecei a procurar outros colecionadores para começar a trocar experiencias. Encontrei então um fórum onde muitos colecionadores trocavam suas histórias e organizavam encontros. Dei sorte de participar logo em seguida do primeiro encontro realizado aqui em São Paulo.

Ainda tímido, participei do primeiro encontro, e conheci pessoalmente muitas pessoas que cultivavam o mesmo hoby e pude então descobrir o real significado de ser um colecionador, que é não apenas de se ter uma coleção, mas sim partilhar com outras pessoas as suas experiencias.

Em 2010 comprei meu apartamento, e com ele um objetivo a ser conseguido, montar um espaço adequado para organizar, acomodar e expor a coleção, principalemente para receber os amigos para partilharmos estas experiencias de colecionar.

Foi durante o ano de 2011 que tudo começou a se tornar realidade, e em janeiro de 2012 o projeto foi concluido.

Hoje, tenho a felicidade de ser o terceiro moderador do fórum que em 2009 me motivou a seguir em frente, com um acervo maravilhoso com itens muito lindos e raros, e amigos muito especiais.